democraciaAbierta: Opinion

América Latina 20 anos após o 11 de setembro: uma oportunidade desperdiçada

Com os EUA distraídos, líderes regionais tiveram a chance de construir uma sociedade justa, mas fracassaram

IMG-0249.JPG
Francesc Badia i Dalmases
10 Setembro 2021, 12.00
Forças de segurança disparam gás lacrimogêneo durante protestos contra o governo em Bogotá, Colômbia, em 28 de julho de 2021
|
Reuters/Nathalia Angarita

O mundo estava mudando antes de 11 de setembro de 2001, mas no momento em que os aviões derrubaram as torres em Manhattan, a história começou a acelerar na direção errada. A nítida imagem da queda do império americano se fixou na retina da humanidade.

Os noticiários matinais em toda a América Latina não podiam acreditar no que as redes gringas transmitiam ao vivo, enquanto a população da região, entre estupor e schadenfreude, percebeu que seu vizinho do norte era vulnerável.

A geopolítica passou a ser regida por outras forças. A América Latina deixou de ser o quintal da Guerra Fria para se tornar o poço sem fundo da China – o pasto para o extrativismo ilimitado trazido pela globalização.

Enquanto Washington e o Pentágono travavam guerras no Afeganistão e no Iraque, o Brasil emergia como uma potência global, e a robusta diplomacia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou a promover alianças alternativas, como o BRICS. Juntos, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul apresentaram uma alternativa ao G7. Embora a aliança não fosse sólida, dadas as profundas diferenças entre os participantes, o BRICS conseguiu mostrar que existia vida além da hegemonia norte-americana e europeia e que outros espaços geopolíticos, inclusive o do Sul Global, eram reais.

A guerra contra as drogas

A Guerra ao Terror liderada pelos Estados Unidos pôs de lado uma guerra anterior sangrenta e inútil que havia desencadeado, embora uma que ainda esteja sendo travada na América Latina: a guerra contra as drogas. Seguindo a mesma lógica de militarizar uma luta que deveria ser uma questão de policiamento direcionado, os governos dos Estados Unidos armaram fortemente as forças de segurança latino-americanas e as treinaram no uso de violência excessiva. Essas práticas são agora usadas contra populações civis, mas não são nada eficazes contra gangues criminosas e o tráfico de drogas. Na Colômbia, por exemplo – país que, junto com o México, é o epicentro dessa guerra – a polícia é comandada pelo Ministério da Defesa e não pelo Ministério do Interior.

Ao inundar a América Latina com armas e dólares, a guerra contra as drogas tornou-se um negócio que levou à perpetuação de guerrilhas anacrônicas. Nascidos durante a Guerra Fria, esses grupos se adaptaram entre uma guerra à outra – perderam seus ideais revolucionários e se transformaram em máfias sanguinárias, envolvidas até o cerne na extorsão e no tráfico de drogas.

A militarização das forças de segurança civil trouxe consigo a violenta repressão aos protestos sociais, recorrentes em um continente onde a desigualdade é enorme e cada crise econômica empurra uma incipiente classe média de volta à pobreza.

Enquanto os Estados Unidos dedicaram todas as suas forças para perpetuar sua ordem no Oriente Médio, a China aproveitou o vácuo de poder na América Latina para consolidar sua inserção econômica na região, que é discreta, mas profunda. O aumento da demanda por matérias-primas nas quais o continente é tão rico elevou o preço dos minerais, hidrocarbonetos, madeira e soja, e impulsionou as exportações de carne e peixe.

Related story

2GE4Y08.jpg
Se os militares americanos podem ser derrotados, eles não podem governar os mercados globais

Onda rosa

A América Latina rompeu economicamente com o Consenso de Washington prevalecente e ingressou na chamada onda rosa, ou guinada à esquerda, que levou políticos de esquerda ao poder. Mas os governos ‘neodesenvolvimentistas’ da Argentina, Uruguai, Chile, Brasil, Peru e Equador não souberam aproveitar. Em vez de redistribuir a riqueza por meio de impostos e consolidar instituições democráticas e serviços sociais universais, distribuíram a renda do extrativismo na forma de ajuda e subsídios. Eles não queriam incomodar os bancos e os grandes empresários, para que seus interesses não fossem ameaçados pela implantação de uma agenda verdadeiramente progressista e redistributiva, que nunca chegou à região.

Os governos de esquerda latino-americanos também não incomodaram o governo de Washington, que passou da Guerra ao Terror a 'pivô asiático' de Obama, seguido pelo isolacionismo errático de Trump. Os EUA praticamente abandonaram a América Latina à sua sorte. Esta última, porém, desperdiçou o momento com políticas sociais tímidas financiadas quase exclusivamente por rendas de commodities e não por impostos.

Essas políticas se mostraram insustentáveis ​​ao longo do tempo, fazendo com que governos caíssem assim que uma nova crise econômica chegasse. A onda rosa recuou, a direita voltou e nada de substancial mudou.

Venezuela

Um caso separado foi a Venezuela, que, confiante em suas enormes receitas do petróleo, embarcou com Hugo Chávez em uma revolução de inspiração cubana e emoção romântica que deslumbrou os esquerdistas de poltrona. A reação dos EUA foi tão contraproducente como sempre. Ao ceder às provocações da retórica antiimperialista dos chavistas, aplicando uma obsoleta política de sanções e tentando cercar o país para sufocá-lo, só conseguiu entrincheirar o problema e contribuir para a catástrofe económica e humanitária que Nicolás Maduro vem gerenciando.

A China incorporou a Venezuela como fornecedor de sua crescente demanda por petróleo e injetou oxigênio na forma de enormes empréstimos cujo retorno espera pacientemente obter um dia. A Rússia, por sua vez, viu no chavismo mais uma oportunidade para sua estratégia de desestabilizar o Ocidente, não importa como ou onde.

Talvez uma nova rodada de negociações entre o governo da Venezuela e a oposição, sediada no México e facilitada mais uma vez por diplomatas noruegueses – mas desta vez com a aprovação do governo Biden – possa aliviar o desastre humanitário e político que se abateu sobre o que já foi o país mais rico da região. Para fazê-lo, a Venezuela, um petro-Estado falido que se tornou narco-Estado, terá que superar sua cubanização, sua narrativa de "resistir e conquistar". Isso vai ser difícil.

Related story

2DABBD3.jpg
Na prática, Maduro está enterrando o socialismo: não há regulação de preços, o dólar circula livremente e há incentivos às exportações.

México e América Central

Durante os últimos 20 anos, a América Central fez algum progresso, especialmente na consolidação do estado de direito após décadas de guerras civis e violações em massa e flagrantes dos direitos humanos. No entanto, também falhou em combater a corrupção sistêmica, construir sociedades inclusivas ou reduzir a pobreza estrutural e a violência criminal que empurra ondas persistentes de migrantes para o norte. Nos últimos anos, tem havido um claro retrocesso democrático, com tentações autoritárias em todos os lugares, da Nicarágua de Daniel Ortega a El Salvador de Nayib Bukele.

O México, por sua vez, consolidou seu papel de apêndice hiperdependente dos Estados Unidos e não conseguiu exercer sua soberania para conter os mesmos velhos problemas: corrupção, impunidade, desigualdade, pressões migratórias e violência extrema.

A grande distração

A grande distração que o 11 de setembro causou aos Estados Unidos foi uma oportunidade para a América Latina se libertar da tutela de seu irmão mais velho do norte.

Os EUA encontraram um novo inimigo pós-Guerra Fria no terrorismo islâmico, mas acabaram perseguindo um fantasma. Se, 20 anos depois, acordar do sonho imperial, descobrirá que é um país mais fraco em todas as frentes, tendo abandonado a bandeira da democracia, da liberdade e do progresso que ergueu após a vitória na Segunda Guerra Mundial. Isso pode ter lhe dado uma certa superioridade moral sobre a China ou a Rússia no pós-guerra, mas abriu caminho para o capitalismo belicista e selvagem com tendências autoritárias, que teve seu nadir no grotesco Donald Trump.

A América Latina tem um caminho árduo pela frente. Hoje está dividido e confuso, dominado por lutas internas entre velhas oligarquias e grupos de poder que relutam em se modernizar (renunciar à corrupção e pagar impostos) apesar da crescente pressão social. Isso não se resolverá com a repressão violenta dos protestos, mas com propostas construtivas.

Related story

braz-xxx-ss-2017-7202_original.jpg
A portaria de restrição de uso de sua terra expira em 18 de setembro

A batalha contra a emergência climática

Talvez agora seja lançada a grande batalha existencial do século 21. Hoje estamos diante da última oportunidade de enfrentar uma verdadeira crise global: a emergência climática.

O continente americano, uma gigantesca reserva de recursos naturais, água doce e biodiversidade, deve abandonar com urgência seu destrutivo novo extrativismo que tem Jair Bolsonaro como seu maior expoente, com sua inescrupulosa agressão contra a Amazônia. Mas não é só Bolsonaro. Da Argentina à Colômbia, todos os outros países fecham os olhos enquanto enriquecem os suspeitos de sempre: os herdeiros da colonização.

É hora de reconhecer que a absurda reação exagerada dos americanos ao 11 de setembro – por mais cruel, espetacular e humilhante que tenha sido – significou um revés de décadas na história da humanidade.

Duas décadas depois, precisamos de um grande pacto continental para que a América Latina deixe de ser o poço sem fundo da China e se transforme em uma sociedade livre e democrática que garanta o futuro das duas novas gerações.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData