democraciaAbierta: Analysis

A cidade como palco para construir o futuro

Quatro em cada cinco latino-americanos vivem em cidades, fazendo da América Latina a região mais urbana do mundo

Matías Bianchi
23 Novembro 2021, 12.00
Santiago de Chile
|
Alamy Stock Photos

As cidades sempre foram um lugar de transformação para a humanidade. Com seu surgimento há 5 mil anos, os horizontes das pessoas foram ampliados, permitindo maior circulação de ideias e o desenvolvimento de grandes avanços na ciência, nas artes e na produção.

Hoje, as cidades são também palco dos principais desafios que enfrentamos como sociedade: a desigualdade e as mudanças climáticas. Na América Latina, a região mais urbana do mundo, esses desafios são amplificados.

Já sabemos que a América Latina é a região mais desigual do mundo, com países como Brasil, Colômbia, Guatemala, México e Panamá atingindo coeficientes de Gini acima de 0,50. Mas é nas cidades que essa desigualdade se objetiva na forma de segregação espacial, exclusão social e informalidade econômica. A falta de capacidades, recursos e poder dos governos para responder à hipertrofia das grandes cidades fez com que o crescimento fosse dominado pelo mercado.

A consequência é uma segregação voluntária dos setores mais ricos, enclausurados e privatizados; e o involuntário dos setores populares em assentamentos precários e informais e em zonas de risco.

É nas cidades que essa desigualdade se objetiva na forma de segregação espacial, exclusão social e informalidade econômica

No meio disso, uma classe média frágil e isolada resiste. Hoje a informalidade do trabalho na região ultrapassa 50% dos trabalhadores, com maior percentual de mulheres. Da mesma forma, os quase 100 milhões de indígenas e negros que vivem nas cidades são 30% mais pobres que a média da população e têm cerca de quatro anos a menos de escolaridade, enfrentando piores situações de superlotação, despejos e violência. A cidade é dividida.

Ao mesmo tempo, o principal impacto da região nas mudanças climáticas globais vem das cidades. Tanto a concentração populacional quanto o desenvolvimento urbano não planejado das cidades trouxeram consequências dramáticas. Uma das causas é o consumo excessivo de recursos naturais – água em particular, com a sobreexploração de aquíferos, costas, entre outros. Outro é o uso do transporte, principal emissor de CO2 para a atmosfera, que na região é agravado pelas longas distâncias a percorrer e pela falta de transporte público de qualidade e o consequente uso excessivo de carros. O terceiro é a destruição do solo devido à invasão excessiva de florestas, pântanos e perda de biodiversidade. A cidade não é sustentável.

Ambos os desafios, é claro, estão completamente interligados. Para responder à crescente emissão de gases do efeito estufa, à degradação dos ecossistemas e à poluição do ar e do solo, é também necessário responder à crescente divisão social: os sectores mais vulneráveis ​​da população vivem cada vez mais afastados dos centros urbanos onde enfrentam más condições de moradia, falta de infraestrutura e um ambiente insalubre.

Precisamos desenvolver a infraestrutura política que possam construir acordos sociopolíticos abrangentes, de longo prazo e socialmente participativos

Por isso, temos que pensar em soluções socioecológicas integrais que incluam a redução do consumo de energia, a sustentabilidade, a redução das desigualdades sociais, o desenvolvimento de espaços adequados de moradia e a justiça ambiental.

Essas medidas devem necessariamente surgir de um processo democrático de construção de acordos sociais e institucionais de longo prazo. Como observou a planejadora urbana Jane Jacobs, "as cidades têm a capacidade de fornecer algo para todos, mas apenas porque, e somente quando, são criadas por todos".

Em outras palavras, o terceiro grande desafio que enfrentamos, e talvez o mais importante, é construir uma nova governança democrática. Precisamos desenvolver a infraestrutura política e os mecanismos operacionais que possam construir acordos sociopolíticos abrangentes, de longo prazo e socialmente participativos. A chave está em modelos de governança de base territorial, com participação cidadã efetiva, institucionalizando espaços de inteligência coletiva apoiados em redes de organizações, universidades e coletivos. Só assim poderemos construir consensos para uma urbanização equitativa, produtiva, ordenada e sustentável que melhore a qualidade de vida, a ordem espacial e a sustentabilidade ambiental do nosso planeta.

A transformação é possível e as cidades são o palco. Assim como as cidades nos permitiram emergir da era neolítica, hoje podem ser o espaço onde construímos a saída de um modelo de cidade exclusivo e determinado pelo mercado. É nas cidades que se concentram a riqueza, o poder de decisão e o conhecimento dos desafios e soluções que temos pela frente.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData