Home: Opinion

A derrota do Ocidente no Afeganistão favorecerá a China e inspirará extremistas islâmicos

Os EUA combaterão o Talibã do ar, mas não há nenhum sinal de que conseguirão controlar os paramilitares em terra

Paul Rogers author pic
Paul Rogers
18 Agosto 2021, 12.00
Um membro da força especial afegã participa de uma operação militar contra o Talibã na cidade de Kunduz, Afeganistão, 23 de julho de 2021
|
Ajmal Kakar/Xinhua/Alamy Live News

Há duas semanas, ainda existia a crença de que o Talibã levaria meses para assumir o controle do Afeganistão e até mesmo de que o grupo poderia negociar um acordo de paz, talvez julgando que seria um passo necessário em seu caminho para o poder.

Essa crença agora mudou dramaticamente. Na semana passada, os EUA convocaram uma reunião desesperada e de última hora com representantes do Talibã em Doha, capital do Qatar, envolvendo países da região, além da Rússia e China. O objetivo era convencer o Talibã de que seria tratado como um Estado pária caso tomasse o poder pela força. Paralelamente, o governo afegão ofereceu parte do poder em troca de um cessar-fogo. Desde então, as negociações terminaram com o fracasso de ambos os esforços.

Com o Talibã no controle de todo o país, há quatro perguntas-chave que devemos fazer. De onde vieram os paramilitares do Talibã? Quais países têm mais a ganhar com um domínio do Talibã? Qual será a política dos EUA agora? E como a mudança de poder afeta organizações como a Al Qaeda e o ISIS?

A resposta à primeira é que o Talibã nunca foi embora e vem aumentando seu poder nos últimos 15 anos ou mais. Em 2001-2002, alguns membros foram para o norte do Paquistão, e desde então se deslocam entre os dois países, mas é dentro do Afeganistão que o poder do Talibã tem se consolidado de forma lenta, mas constante.

Get dark money out of UK politics

Sign our petition to tell the government to tighten electoral laws and shine more light on political donations. We need to know who is giving what to our political parties.

O movimento possui recursos e equipamentos, tendo colhido anos de recompensas por ter o controle das principais áreas de cultivo de ópio, especialmente na província de Helmand. Além disso, o colapso em grande escala do exército afegão e a retirada apressada das forças ocidentais deixaram uma cornucópia de armas, munições e outro material militar. A recente tomada pelo Talibã de fronteiras importantes também trouxe recursos financeiros adicionais.

Além do mais, embora o movimento do Talibã seja principalmente interno, ele foi impulsionado por paramilitares de outros lugares, incluindo Caxemira, Chechênia, áreas uigures na China, Estados do Golfo, Norte da África e até mesmo a Europa Ocidental. Isso levou ao aumento do número de membros do Talibã nos últimos meses.

O corredor de Wakhan e a fronteira do Afeganistão com a China provavelmente se tornarão uma importante faceta da geopolítica mundial nos próximos anos

Quanto a quem ganha, a Rússia apreciará e desfrutará dos fracassos dos EUA e de outros Estados ocidentais, mas dirá pouco em público, dada a experiência soviética dos anos 80. Os políticos paquistaneses declararão que a última coisa que eles querem é um Afeganistão controlado pelo Talibã, mas as altas patentes do exército do Paquistão terão uma visão diferente, vendo o Talibã como uma forma de garantir que a Índia tenha um papel mínimo sob o novo regime.

A China, porém, tem muito a ganhar – se conseguir persuadir o Talibã a conter o poder dos paramilitares uigur. O corredor de Wakhan e a fronteira do Afeganistão com a China provavelmente se tornarão uma importante faceta da geopolítica mundial nos próximos anos – e podem oferecer à China novos acessos para a Ásia Ocidental e o Oriente Médio. A China também enxerga a abundante riqueza mineral do Afeganistão. As possibilidades não passaram desapercebidas em Pequim, o que ficou claro quando o país convidou uma delegação sênior do Talibã a visitar a China há três semanas.

Quanto aos EUA, está claro que o país não se atrelará a uma guerra terrestre enquanto Joe Biden estiver na Casa Branca, mas o país se esforçará para conter qualquer expansão da Al Qaeda, ISIS ou outros radicais islâmicos dentro do Afeganistão que possa ser vista como uma ameaça aos interesses dos EUA. O país pode buscar manter o controle por vários meios, incluindo o uso de forças especiais e milícias proxy, mas grande parte da ênfase estará no uso de drones armados e aeronaves de asa fixa de longo alcance, como os bombardeiros B-52.

Estes vêm sendo usados ​​pela Força Aérea dos Estados Unidos e podem ser apoiados por aviões de ataque da Marinha através de porta-aviões no Oceano Índico. Há também o caça AC-130U da Força Aérea que já vem sendo usado no Afeganistão nas últimas semanas. No entanto, apesar de todo o poder indubitável do AC-130U, há poucas evidências de que ele (ou drones e outras aeronaves) fará muito para conter a Al Qaeda e o ISIS se o Talibã permitir que eles cresçam e prosperem.

Movimentos paramilitares islâmicos extremistas terão pouca ou nenhuma conexão com o Afeganistão, mas o impacto simbólico da derrota do Ocidente será inspiração suficiente

Isso nos leva à questão final, que raramente é avaliada em análises de segurança atuais. Nos últimos cinco anos, grupos ligados à Al Qaeda e ao ISIS vêm se expandindo pelo norte e leste da África, com ligações a grupos locais independentes em lugares tão distantes da África quanto Filipinas e Indonésia.

Agora, com o provável sucesso do Talibã no Afeganistão, esses grupos receberão um grande impulso através de um renovado interesse de pessoas de se unir à causa, uma vez que interpretarão que a guerra contra o terrorismo ainda está por vencer. Os paralelos com os anos pós-11 de setembro são assustadores.

De 2002 a 2006, houve ataques contra alvos e interesses ocidentais em todo o mundo, incluindo França, Reino Unido, Paquistão, Indonésia, Egito, Quênia, Estados Unidos, Tunísia, Marrocos, Jordânia e muitos mais. Bancos, hotéis, restaurantes, consulados e embaixadas de propriedade ocidental foram os alvos mais comuns, mas poucos dos perpetradores tinham qualquer conexão direta com o que foi denominado "Al-Qaeda Central" no Paquistão, que supostamente era o responsável pelos ataques. Em vez disso, a maioria veio de grupos locais, impulsionados em suas crenças pelo próprio 11 de setembro.

Os movimentos paramilitares islâmicos extremistas terão pouca ou nenhuma conexão com o que está acontecendo no Afeganistão, mas o impacto simbólico da derrota do Ocidente e do estabelecimento de um califado será inspiração suficiente. Isso tem implicações não apenas para a América do Norte e a Europa Ocidental, mas para todo o mundo, o que torna a vitória do Talibã possivelmente o desenvolvimento político mais importante de 2021. A resposta será, sem dúvida, conflitos ainda mais remotos à medida que entramos na terceira década de uma guerra de 30 anos.

Had enough of ‘alternative facts’? openDemocracy is different Join the conversation: get our weekly email

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData