democraciaAbierta

A saída de Raúl Castro marca o fim de uma era em Cuba

A revolução sem os revolucionários pode dar lugar a um futuro melhor, se os novos líderes forem capazes de lidar com uma herança pesada

democracia Abierta
22 April 2021, 12.00am
Che Guevara, Raúl Castro e Fidel Castro em La Havana, Cuba, 1961
|
Salas Archive Photos / Alamy Stock Photo

Após 62 anos, a dinastia Castro deixará o comando em Cuba.

Com um discurso clássico da retórica castrista, forte mas reconciliador, “revolucionário” mas amistoso, desafiador mas concertado, Raúl Castro despediu-se do poder no VIII Congresso do Partido Comunista de Cuba (PCC) na última sexta-feira, 16 de abril, depois de assumir o poder em 2008, após a aposentadoria do irmão Fidel. Sua saída põe fim a seis décadas da dinastia castrista, que transformou uma revolução libertadora, emblema da luta contra o imperialismo norte-americano na década de 1960, em um regime autoritário, repressivo e esclerótico.

Raúl Castro promoveu algumas medidas marcantes de liberalização econômica em Cuba, como a comercialização de automóveis, (algo emblemático após décadas de sobrevivência com automóveis dos anos 1950 e veículos Lada de fabricação soviética) e a entrada de internet móvel na ilha. Sem dúvida, a mudança mais significativa trazida por seu mandato foi o restabelecimento das relações bilaterais com os Estados Unidos entre 2009 e 2016, sob a presidência de Barack Obama.

Embora o embargo imposto pelo governo Kennedy em 1962 tenha permanecido em vigor, por exigir a aprovação do Congresso dos Estados Unidos, Obama e Castro restabeleceram as relações diplomáticas, suspensas desde 1961. Obama também permitiu o envio de remessas e viagens entre Cuba e os EUA

Esta aproximação e abertura promovidas por Obama, bem como as medidas de liberalização de Castro, repercutiram na economia da ilha. Castro assumiu o poder quando o PIB da Cuba estava em queda, mas conseguiu que, entre 2009 e 2015, o PIB aumentasse 3%. Entretanto, ao chegar à Casa Branca em 2017, Donald Trump suspendeu os avanços da era Obama e reinstituiu restrições às viagens e remessas, o que se refletiu imediatamente no PIB do país, cujo crescimento anual caiu de 4,5% em 2015 para 2,2% em 2018.

F35HT2.jpg
Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, à direita, em encontro bilateral com o presidente Barack Obama, à esquerda, de Cuba, na sede das Nações Unidas em Nova York, em 29 de septembro de 2015 | Barack Obama eBarack Obama

Mas Trump já retornou a Mar-a-Lago, e há muita expectativa em Havana com a chegada dos democratas à Casa Branca. Esta foi uma das mensagens mais fortes de Castro em seu discurso de despedida: com quase quatro meses no poder, o atual presidente americano, Joe Biden, não tomou medidas para restabelecer as relações com a ilha e aliviar as restrições impostas por Trump.

Mas, para além das relações bilaterais entre Cuba e os Estados Unidos, nas quais grande parte das seis décadas do castrismo se baseia, a saída de Castro, aos 89 anos, marca um momento histórico: o fim da geração que liderou a revolução com Fidel Castro. Miguel Díaz-Canel, de 61, presidente do Partido Comunista há três anos, assumirá as rédeas do país, iniciando seu mandato com uma clara mensagem de continuidade. Mas embora Díaz-Canel tenha nascido em 1960, um ano após o triunfo da revolução liderada pelos Castros, não é o mesmo que ter um dos revolucionários no comando.

Resta saber se a mudança geracional terá algum efeito sobre a situação crítica em que a ilha do Caribe se acostumou a viver. Ao longo dos anos e apesar da repressão, a dissidência vem crescendo. E, embora seja impossível não sentir o carinho e o respeito que muitos têm pelos irmãos Castro nas ruas de Cuba, a epopeia da resistência encarnada pelos protagonistas da revolução, hoje nonagenários ou já falecidos, se dissolve inevitavelmente diante das dificuldades eternas. Diante da falta de alimentos, do crescimento da pobreza e das longas filas para atender às necessidades diárias, e com a contínua migração de cubanos em busca de melhores oportunidades, é difícil pensar que a nova geração de líderes não acabará promovendo mudanças.

Em seu discurso de despedida, Castro pediu ao povo que mantivesse a revolução viva nas ruas e não através de telefones celulares, mas também pediu o reconhecimento da dissidência e a inclusão de uma maior diversidade no PCC. Ele fez fortes acusações ao governo dos Estados Unidos, mas também pediu respeito pelas relações bilaterais. A dicotomia entre a ideia utópica de um socialismo imaculado e a dura realidade imposta pelo liberalismo ficou evidente em seu discurso.

Seja como for, Castro deixa o poder em Cuba em um momento importante. O país foi fortemente afetado pela crise da Covid-19. A economia contraiu 11% e as importações caíram 40%, o embargo dos EUA continua a pesar e é cada vez mais difícil justificar a recusa de fazer concessões democráticas em um país à beira do colapso e com expectativa de inflação de 500% para este ano.

A chegada de Díaz-Canel pode representar uma mudança real, embora o entrincheiramento seja enorme e o regime tenha desenvolvido poderosos mecanismos de controle, cujo único propósito é permanecer ativo. Cuba também desempenha um papel geoestratégico na América Latina como referência para uma esquerda nostálgica por uma revolução perigosa, que passou por desvios autoritários, como a que hoje governa a Venezuela ou a Nicarágua. Uma abertura democrática em Cuba mudaria o jogo.

Navegar nesta difícil conjuntura exigirá que Díaz-Canel demonstre convicção e habilidade e se afaste da ortodoxia prevalecente no PCC. A chegada dos democratas à Casa Branca e a previsível reativação da economia que trará o controle da pandemia e a volta do turismo internacional representam uma oportunidade.

A revolução sem os revolucionários pode dar lugar a um futuro melhor, se os novos líderes forem capazes de lidar de forma inteligente com uma herança pesada.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData