democraciaAbierta: Analysis

O ‘efeito brasileiro’ na pandemia: a eficácia das transferências de dinheiro

Os efeitos positivos do auxílio emergencial têm mostrado que uma renda básica universal é cada vez mais inevitável

Manuella Libardi democracia Abierta
2 Julho 2021, 12.00
O auxílio emergencial ajudou a reduzir a pobreza na América Latina durante a pandemia
|
Joacy Souza/Alamy Stock Photo

A pandemia de Covid-19 arrastou as classes médias da América Latina e do Caribe para estratos mais baixos, mas a situação poderia ser pelo menos duas vezes pior sem o “efeito brasileiro”, como o Banco Mundial o descreveu.

Em 2020, mais de 4,7 milhões de latino-americanos que pertenciam à classe média passaram à vulnerabilidade ​​devido às consequências econômicas da pandemia, segundo o Banco Mundial. Sem o programa de transferência de dinheiro estipulado no Brasil, conhecido como auxílio emergencial, esse número chegaria a 12 milhões de pessoas na região.

Se considerarmos as pessoas que atravessaram a linha da pobreza, segundo a definição do Banco Mundial, o impacto da medida de auxílio no Brasil fica ainda mais evidente. Surpreendentemente, a pobreza na América Latina e no Caribe diminuiu em 2020. De acordo com o Banco, pelo menos 400 mil pessoas entraram na faixa renda que qualifica como pobreza na região. Mas sem o auxílio emergencial no Brasil, o Banco estima que 20 milhões de latino-americanos teriam caído na pobreza no ano passado.

No final de março de 2020, o Senado aprovou uma renda básica de R$ 600 (mais ou menos US$ 115 na época) para trabalhadores informais ou autônomos, microempresários individuais e desempregados, entre outros. O presidente Jair Bolsonaro foi inicialmente contra a medida e quando a aceitou, sob pressão da oposição, tentou limitar o valor a R$ 200, ou algo como US$ 40, por três meses não prorrogáveis. Em meio a críticas crescentes de sua pavorosa gestão da pandemia, Bolsonaro aprovou a medida, e os valores começaram a ser transferidos em abril do ano passado. Foram cinco parcelas de R$ 600, seguidas de outras quatro de R$ 300 reais durante o ano.

Até novembro de 2020, o governo havia pago R$ 250 bilhões a mais de 68 milhões de brasileiros, de acordo com a página do governo federal. De forma direta ou indireta, a ajuda atingiu metade dos 213 milhões de brasileiros. O valor representou pouco menos de 50% dos gastos que o país teve com o enfrentamento da pandemia até dezembro, segundo a página do Senado. O benefício ainda está em vigor, mas com valores reduzidos de uma média de R$ 250.

Além de reduzir a pobreza, o programa de transferência de dinheiro também se mostrou uma ferramenta eficaz para estabilizar o PIB durante a crise

Os efeitos do auxílio emergencial também se refletiram na reação da população ao governo Bolsonaro no final de 2020. Apesar de todo o caos causado pelo presidente durante a pandemia, a aprovação popular de seu governo atingiu níveis recordes em dezembro de 2020, quando 47% dos entrevistados ​​afirmaram aprovar sua gestão. A desaprovação do governo voltou a crescer com a redução do auxílio.

O efeito econômico das transferências

Além de reduzir a pobreza, o programa de transferência de dinheiro também se mostrou uma ferramenta eficaz para estabilizar o Produto Interno Bruto (PIB) durante a crise. Os bens e serviços produzidos pelo Brasil em 2020 despencaram cerca de 4%, mas as projeções estimavam que cairiam 6,5%. Segundo economistas, a injeção de dinheiro por meio das transferências foi um grande responsável por esse resultado. Um estudo realizado pela Universidade de São Paulo (USP) estima que o auxílio evitou que a economia caísse entre 8,4% e 14,8%.

“Quando a pandemia começou havia uma expectativa muito negativa. Quando vieram os auxílios e outros programas, foi possível ter uma melhora no resultado do PIB”, disse Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados, ao jornal Correio do Povo. O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou que a ajuda se refletiu no consumo médio dos brasileiros. Segundo a Caixa, o auxílio é responsável por R$ 47,6 bilhões gastos em lojas e supermercados em 2020.

Após o fim do auxílio, o que acontece?

O auxílio emergencial contém no nome que se trata de uma medida provisória e não de uma estratégia de longo prazo. Em algum momento, as parcelas, que já foram reduzidas a R$ 150 reais (US$ 30) em alguns casos, não entrarão mais nas contas bancárias de brasileiros vulneráveis.

A pandemia reforçou a importância do Bolsa Família, transformando a discussão e a possibilidade de uma renda básica universal cada vez mais inevitável

No entanto, os efeitos positivos da medida de transferência de dinheiro reacenderam os debates sobre a renda básica universal – tema em pauta em vários países. Até mesmo o ministro ultra-liberal da Economia, Paulo Guedes, disse que o Brasil terá que criar novos programas sociais em função das consequências da pandemia. O plano de seu ministério é reduzir as parcelas até que o país volte à estrutura anterior do icônico Bolsa Família, pelo qual o Brasil é conhecido mundialmente. Mas ele acrescentou que o país tem que contemplar um programa com maior renda.

“O que está à frente de nós é a responsabilidade, o compromisso com a responsabilidade fiscal, mas, ao mesmo tempo, com essa sensibilidade social. Então, tem que ter a vacina, tem que ter uma camada de proteção, porque a doença está aí, vai haver no futuro, e é parte do nosso programa, uma renda básica mais alta. Agora, tudo isso tem que ter bons fundamentos fiscais, senão se perde”, afirmou.

Segundo o Supremo Tribunal Federal (STF), o Brasil deve incorporar um programa de renda básica em 2022. Dois programas, o Renda Brasil e Renda Cidadã, ainda estão em discussão e podem substituir ou ampliar os programas existentes. De qualquer forma, o Brasil já possui uma estrutura eficaz que permite transferências de dinheiro. A pandemia reforçou a importância do Bolsa Família, duramente criticado por Bolsonaro e outros políticos conservadores ao longo dos anos, transformando a discussão e a possibilidade de uma renda básica universal cada vez mais inevitável.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData