democraciaAbierta: News

Mineração ilegal avança para os confins da Amazônia no Equador

Dados da província de Napo mostram aumento de 21.000% da atividade de garimpeiros em região remota da floresta

Scott Mistler-Ferguson
27 Janeiro 2023, 10.00
Mineração ilegal de ouro ao longo do Rio Madre de Dios, perto de Puerto Maldonado, na Bacia Amazônica do Peru
|

Alamy Stock Photo

Operações policiais no Equador recentes revelaram níveis chocantes de degradação ambiental causada pela mineração ilegal na província de Napo, indicando que a prática continua a proliferar em áreas remotas da floresta tropical amazônica.

O caso mais recente veio à luz em 24 de novembro, quando seis pessoas, incluindo um ex-funcionário da agência de recursos naturais do Equador, foram presas por operar minas ilegais na província de Napo, no norte do país.

Nesta área pouco desenvolvida e difícil de navegar da Amazônia equatoriana, a mineração de ouro aumentou 21.000% nas últimas duas décadas, de acordo com os números divulgados pelo Monitoramento do Projeto Amazônia Andina (MAAP) em agosto do ano passado. Cerca de 556,8 hectares da província haviam sido ocupados pela mineração ilegal até 2020.

E esse crescimento não dá sinais de desaceleração. O órgão de fiscalização encontrou pelo menos 120 minas operando em Napo, em 2021.

A velocidade vertiginosa da expansão da mineração ilegal teve um efeito profundo no meio ambiente. O uso de metais pesados ​​e produtos químicos letais para extrair ouro dos sedimentos das vias navegáveis ​​da província, incluindo o rio Napo, que se estende por 1.130 km, causou estragos nos ecossistemas locais, segundo o MAAP. Um relatório de 2020, publicado pela Universidad Regional Amazónica Ikiam em conjunto com o Ministério do Meio Ambiente e Água (MAAE) do Equador, corrobora esses dados e revela que aproximadamente 90% dos rios analisados ​​em Napo continham alguma toxicidade, o que aponta para "níveis crônicos de poluição" que ameaçam a vida selvagem e as comunidades locais.

Análise

A deterioração ambiental de Napo, embora bastante preocupante, não é incomum no contexto amazônico. Faz parte de uma lista crescente de áreas remotas da região amazônica que estão sendo exploradas por seus recursos, e cujo isolamento serve quase como uma barreira protetora contra investigações.

Relacionado

no-a-mineria-psha.jpeg
Além de prejudicar as populações indígenas, a política extrativista de Guillermo Lasso quebra compromissos para mitigar a crise climática

Bolsões de mineração e extração ilegal de madeira altamente concentrados estão se tornando conhecidos em toda a bacia amazônica.

No sul do Peru, a mineração ilegal de ouro continua avançando, apesar da intensa repressão do governo por vários anos. Em 2019, a Operação Mercúrio tentou expulsar 5 mil garimpeiros ilegais de La Pampa, no departamento de Madre de Dios. Enquanto a operação conseguiu expulsar a maioria dos garimpeiros, eles simplesmente se mudaram para áreas desconhecidas da Amazônia, devastando o meio ambiente à medida que avançavam. Comunidades indígenas próximas a Madre de Dios registraram um aumento de 128% no desmatamento causado pela mineração após a Operação Mercúrio, observou o MAAP.

E no Suriname, o Reservatório Brokopondo já é um foco de mineração ilegal de ouro, invadindo áreas protegidas como o Parque Natural Brownsberg. Durante décadas, autoridades policiais não conseguiram deslocar os mineiros de pequena escala no parque remoto, devido à falta de recursos do Estado.

Em Roraima, no norte do Brasil, as áreas inacessíveis da reserva Yanomami tornaram-se bastante lucrativas para os garimpeiros. Pistas clandestinas foram construídas para a entrega de maquinaria pesada e para a remoção dos minerais extraídos. Os garimpeiros operam com tanta impunidade que podem invadir o território Yanomami com bombas de gás e armas de fogo para acessar possíveis garimpos.

No Vale do Javari, um remoto território indígena no oeste do Brasil, na fronteira com o Peru e a Colômbia, a extração ilegal de madeira, a pesca ilegal e o tráfico de drogas prosperam há anos. A área chamou a atenção internacional no início do ano passado, devido ao assassinato do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista brasileiro Bruno Pereira.


Este artigo foi originalmente publicado em inglês e espanhol no InSight Crime.

We've got a newsletter for everyone

Whatever you're interested in, there's a free openDemocracy newsletter for you.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscribirme al boletín.
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData