democraciaAbierta

As vacinas, seus índices e distintos métodos analíticos conclamam imparcialidade no combate à Covid-19

No atual contexto de guerra pandêmica, atribuir nacionalidade à vacina, politizá-la ou polarizá-la é desvirtuar o seu único propósito: salvar milhões de vidas.

Sostenes Marchezine
Thomas Law Bruno Barata Magalhães Sostenes Marchezine Bruno Franco Lacerda Martins Clarita Costa Maia
15 Janeiro 2021, 12.00
Uma mulher idosa abraça e conversa com sua parente através de uma "cortina de abraço" em casa de repouso em Brasília, Brasil, 6 de janeiro de 2021
|
Lucio Tavora/Xinhua News Agency/PA Images

Nos últimos dias, escrevemos artigo acerca da vacinação contra a Covid-19 no Brasil, a partir de análise panorâmica da Medida Provisória n. 1.026, editada em 6 de janeiro de 2021. A publicação, que trata de temática iminente e deveras importante, foi - e continua sendo - amplamente divulgada na imprensa nacional e em plataformas especializadas.

No artigo, concluímos que a nova norma traz avanços essenciais para o combate da pandemia no Brasil; e os explicitamos. Sugerimos, como desafiador paradigma social, a implementação de uma coalização nacional harmônica, interpoderes e federativa, para o enfrentamento de um inimigo comum: a Covid-19.

A necessidade da referida coalização nacional, portanto, ficou ainda mais latente quando foram apresentados dados do estudo clínico realizado pelo Instituto Butantan, relacionados à vacina denominada Coronavac. Dados estes, inclusive, cujos índices estariam sendo tecnicamente descontextualizados e indevidamente utilizados em comparação a vacinas de outros titulares, numa espécie de ranking contraproducente - como se verá adiante em detalhes.

Ora, para que o Brasil e países de todo o mundo sejam bem-sucedidos na desafiadora missão de extirpar o novo coronavírus do protagonismo do nosso dia-a-dia, sem ainda maiores percalços, repercussões e reflexos multissetoriais, as vacinas - seja ela qual for - não podem ser politizadas, muito menos pinçadas à um cenário de polarização. Isso em nada irá ajudar.

Por isso, utilizamos já no artigo anterior o termo “coalizão”. Para que fique ainda mais claro, no entanto, coalizão significa pacto, união, acordo, uma fusão de princípios e interesses, numa grande aliança interpartidária para o alcance de um fim comum, um objetivo maior. O significado é ainda mais amplo, pois abarca a união não apenas do Poder Público, como também das nações, de órgãos e entidades diversas, e da sociedade em geral, que tem papel significante. Definitivamente, um termo que sintetiza e simboliza com louvor o movimento que urge.

A Medida Provisória n. 1.026/21 pode ser interpretada como um aceno para essa grande coalizão. A norma trouxe, como um dos seus elementos práticos mais eficazes, a possibilidade de aquisição de vacinas contra a Covid-19, ainda que eventualmente pendentes de registro para uso emergencial. Evidentemente, ainda que simplificados, há uma série de regramentos nos procedimentos para tanto, mas trata-se de um avanço significativo na operacionalização do plano nacional de vacinação.

Tal desiderato viabilizou, por exemplo, que o Governo Federal imediatamente firmasse contrato com o Instituto Butantan para a aquisição de 100 milhões de doses da Coronavac – quantidade que ainda poderá aumentar significativamente. Algo que parecia impossível, no contexto político-institucional.

Poderia ser qualquer outra vacina ou fornecedor (e que venham mais), mas a Coronavac está ao alcance do Brasil em quantidades alvissareiras, maiores que a oferta disponível internacionalmente - ou passível de produção - até o momento. Não se pode fechar os olhos para o fato que a demanda é global: todos os países estão na corrida pelo imunizante.

A implementação no Brasil da vacinação com a Coronavac, em conjunto ou não com outras tantas vacinas, têm um único e comum objetivo: salvar a vida de milhões de brasileiros

Atribuir uma suposta nacionalidade à vacina e, a partir da sua origem produtiva, polarizá-la ideologicamente, ou mesmo politizar sua importância, seria desvirtuar seu propósito. Não importa se a vacina é chinesa, inglesa, americana, russa, ou mesmo híbrida, em co-produção brasileira. A implementação no Brasil da vacinação com a Coronavac, em conjunto ou não com outras tantas vacinas, como a Pfizer, a Moderna, a Sputnik V, e a AstraZeneca, têm um único e comum objetivo: salvar a vida de milhões de brasileiros, no menor prazo possível.

A vacinação no Brasil carece de imparcialidade e harmonia entre os Poderes da República, os Estados Membros e a União, órgãos e entidades diversas, e a sociedade em geral.

Justamente por isto, e não por qualquer preferência ou interesse, é importante propiciar clara compreensão acerca de determinados dados técnicos da Coronavac – a vacina que está no “olho do furacão”, neste momento crucial.

Sem aqui atribuir ou adotar quaisquer posições político-partidárias ou ideológicas - vieses que repudiamos nesse esforço opinativo e no caso concreto - o índice de 50,4% atribuído à eficácia geral da vacina Coronavac, não significa que ela teria condições quase que igualitárias de êxito ou fracasso. Muito pelo contrário.

A bem da verdade, os estudos clínicos da Coronavac apontam que, ao tomar a vacina, o cidadão brasileiro terá 50,4% de chances de não desenvolver a Covid-19 em nenhum grau, desde o mais leve possível (inclusive, os quase imperceptíveis) até o mais grave, a causar morte. A pessoa terá, também, em paralelo ao índice já citado, 78% de chances de não precisar de atendimento médico algum, caso contaminado.

No entanto, há algo a ser ainda mais comemorado. Em paralelo aos outros dois índices citados, o cidadão vacinado, de acordo com os resultados clínicos, terá estonteante 100% de chances de não precisar ser hospitalizado ou ir para a UTI. Ou seja, eficácia plena para estancar o crescente número de mortos no Brasil.

Dito isto, faz-se necessário tecer importantes observações, sobretudo relacionadas à comparação entre as vacinas, no que tange aos seus estudos e resultados clínicos, e principalmente aos índices apresentados. Como visto, é tecnicamente incoerente compará-los, levando em consideração que a metodologia utilizada pelas empresas foi diferente. Cada uma, tem suas particularidades e especificidades.

Para melhor compreensão, no entanto, essencial conhecer a escala de progressão da Covid-19, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Para a OMS, o desenvolvimento da doença é dividido em seis níveis. O primeiro, refere-se aos assintomáticos, aqueles que foram ou estão contaminados, mas nada sentem ou sentiram. Alguns sequer desconfiam e nunca saberão que têm ou já tiveram, salvo por curiosidade ou prevenção.

A existência hoje de vacinas contra a Covid-19 é uma verdadeira lição de que nada é impossível e nada supera a união e o intercâmbio de esforços

O segundo nível contempla as pessoas que, contaminadas, teriam sintomas muito leves, e sequer precisariam de ajuda. O terceiro, àquelas com sintomas leves e poderiam recorrer a alguma assistência médica. Os níveis quatro e cinco, que são considerados em conjunto, congregam aqueles que teriam sintomas moderados, já passíveis de hospitalização e algum tipo de internação. Já o nível seis teria relação com os casos graves, passíveis de internação em UTI, podendo ou não culminar em óbito.

Nesse contexto, é importante destacar que, com exceção do nível 1 (dos assintomáticos), o resultado do estudo clínico da Coronavac considerou todos os demais níveis de progressão da doença: do 2 ao 6. Assim, o Instituto Butantan acabou por utilizar uma metodologia com detalhamento de cenários que poderia até prescindir, ante a necessidade de desenvolvimento emergencial de uma vacina em prazo recorde, na história da humanidade.

Por certo, a decisão de excluir apenas eventuais casos assintomáticos e considerar no estudo todos os outros níveis progressivos da doença, mesmos os mais leves, acabou influindo diretamente no índice da eficácia geral da Coronavac – puxando os números para baixo. Mesmo assim, em nada compromete os efusivos resultados positivos alcançados.

Em rápidas palavras: 100% das pessoas que tomarem a vacina, não serão hospitalizadas - eficácia plena para a prevenção de óbitos; 78% delas não terão sintomas moderados ou graves, caso contaminadas; e 50,4% delas sequer terão a doença. Ou seja, do percentual de 49,6% de pessoas que possam eventualmente, mesmo após tomar a vacina, ter a doença com sintomas leves ou muito leves, apenas 22% poderão ter sintomas moderados e nenhuma terá sintoma grave. Não serão internadas, não irão para a UTI, nem morrerão. E isso precisa, sim, ser comemorado.

Noutro giro, importante acrescentar que estudos clínicos de outras vacinas contra a Covid-19, no geral, não envolveram pacientes do nível 2, por exemplo. E outros chegaram, ainda, a não envolver pacientes do nível 3. Ou seja, não restaram considerados possíveis contaminados com o desenvolvimento de sintomas leves ou muito leves - como optou o Instituto Butantan, no estudo clínico da Coronavac.

Os responsáveis por outras vacinas decidiram utilizar o método de estudo clínico que o resultado priorizasse o êxito em prevenir a hospitalização, no cenário de internação, UTI e principalmente na prevenção de mortes. Prescindiram, portanto, da meta de evitar todos os cenários, ou seja, da contaminação com o desenvolvimento de sintomas leves ou muito leves. E, para que fique claro, não há absolutamente nada de errado nisto. Nada! Apenas dessa forma, anote-se, seus índices de eficácia geral apresentaram-se numericamente maiores.

Portanto, eventuais gráficos comparativos não teriam o condão de estabelecer ranking entre as vacinas. É tecnicamente indevido desconsiderar as particularidades dos índices apresentados por cada vacina, ainda que sob a mesma alcunha de “eficácia geral”, bem como as especificidades das suas metodologias e focos clínicos de estudo.

Por fim, essencial rememorar que as considerações constantes deste opinativo têm um único objetivo: não politizar; nem mesmo polarizar as vacinas contra a Covid-19. Seja ela qual for. Todas as vacinas em processo de estudo e validação, ou mesmo as que já estão sendo aplicadas, devem ser respeitadas - independente do seu país de origem, empresa, marca ou grupo político eventualmente à frente do seu incentivo ou fomento.

O mundo está fazendo história também ao criar uma vacina num prazo recorde de tempo, para enfrentar aquela que é uma das maiores crises pandêmicas da história. E esse esforço deve ser valorizado e replicado em outros casos de doenças ainda mais graves.

A existência hoje de vacinas contra a Covid-19 é uma verdadeira lição de que nada é impossível e nada supera a união e o intercâmbio de esforços. Por isso, recentemente defendemos, e agora reiteramos, que o Brasil carece de uma coalização nacional harmônica, interpoderes e federativa, para o enfrentamento de um inimigo comum: a Covid-19. Tudo num contexto de imparcialidade e comunhão de esforços, não só entre o Poder Público, mas também com a adesão de órgãos e entidades diversas, e principalmente da sociedade em geral.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData