democraciaAbierta: Opinion

Peru enfrenta uma batalha entre os extremos

A intensa fragmentação política do Peru vence o primeiro turno de uma eleição presidencial marcada pela radicalização

democracia Abierta
16 Abril 2021, 12.00
O candidato Pedro Castillo em um debate presidencial em março de 2021
|
REUTERS/Sebastian Castaneda/Alamy Stock Photo

Com apenas 19,07% dos votos, o sindicalista e professor Pedro Castillo (Peru Libre) venceu o primeiro turno das eleições presidenciais no Peru no último domingo, 11 de abril, mostrando que o verdadeiro vencedor foi a fragmentação política em um pleito que apresentou nada menos que 18 candidatos. Os peruanos consolidaram a polarização no país ao levar a ex-deputada de direita Keiko Fujimori (Fuerza Popular) ao segundo turno. A filha do ex-ditador Alberto Fujimori, que cumpre pena de 25 anos de prisão por violações dos direitos humanos, obteve 13,37% dos votos.

Os candidatos que terminaram em terceiro e quarto lugares não ficaram muito atrás. O ultraconservador Rafael López Aliaga (Renovación Popular) e o economista neoliberal Hernando de Soto (Avanza País) obtiveram 11,69% e 11,60%, respectivamente. Isso significa que mais de 70% dos peruanos votaram em alguém que não será o presidente do Peru. No entanto, Castillo foi o vencedor em 16 das 24 regiões do país. Fujimori, acusada de lavagem de dinheiro, venceu nas oito províncias restantes. Mais de 15% dos peruanos votaram nulo ou em branco.

No dia 6 de junho, os peruanos retornarão às urnas no que será uma batalha eleitoral entre a esquerda radical e a direita autoritária.

Quem apoia quem no segundo turno

Como consequência da forte fragmentação, o segundo lugar não havia sido definido na manhã desta segunda-feira, 12 de abril, quando De Soto ocupava o segundo lugar com cerca de 13,50%. Na ocasião, Fujimori propôs que os dois fizessem um acordo para "enfrentar o populismo e a esquerda radical" no segundo turno. “Apesar das diferenças que temos, também há grandes coincidências”, disse a candidata sobre o economista em nota à imprensa. "Não importa quem vá ao segundo turno, espero que possamos trabalhar juntos", disse.

Rafael López Aliaga, conhecido como Bolsonaro peruano, surpreendeu a todos ao declarar que apoiaria Castillo no segundo turno

Dessa forma, espera-se que De Soto declare apoio a Fujimori. López Aliaga, conhecido como Bolsonaro peruano, surpreendeu a todos ao declarar que apoiaria Castillo no segundo turno e pediu a seus partidários que fizesse o mesmo. Ele argumentou que ambos são "pró-vida e pró-família", refletindo sobre o profundo conservadorismo do candidato esquerdista em questões sociais.

“Ele capta a grande angústia de um Peru abandonado (...) há pessoas que não têm vacinas; por esses coitados, pessoas que não têm comida, [Castillo] entende essa angústia das províncias contra Lima”, disse López Aliaga.

A vingança rural contra Lima

Castillo, oriundo da humilde região andina de Chota, representa as regiões rurais do Peru, historicamente abandonadas pelos governos em relação a Lima e ao litoral, regiões urbanas e mais ricas. O vencedor do primeiro turno, um outsider de 51 anos, chegou a seu local de votação montado em seu cavalo, destacando sua origem camponesa. Castillo liderou uma campanha anti-establishment que conseguiu conquistar o voto das partes mais pobres do Peru. Dessa forma, o candidato, pouco conhecido na capital peruana, trouxe à tona o descontentamento das classes mais pobres e rurais do país – ao mesmo tempo em que destacou o peso político dessas regiões. A vitória de Castillo no primeiro turno é, antes de mais nada, uma derrota para o establishment peruano e sua classe política.

O conservadorismo venceria sim ou sim as eleições presidenciais deste ano

Castillo, defensor do governo de Nicolás Maduro na Venezuela, é favorável a amplas políticas de nacionalização de empresas dos setores de "mineração, gás, petróleo, hidroenergia, comunicações, entre outros", afirmando que o Peru deve assumir o controle dos três principais setores econômicos do país: mineração, gás e petróleo. Esta semana, Castillo, que prometeu substituir a Constituição do “auto-golpe” de Alberto Fujimori, pediu o apoio dos outros partidos no Peru e convocou "a Polícia Nacional, as Forças Armadas e o grande empresariado a se sentarem e conversarem, sem medo", para que juntos possam derrotar o fujimorismo.

Ao profundo descrédito das instituições peruanas nas últimas duas décadas soma-se a demanda por uma nova constituição que estabeleça as bases para a regeneração democrática do país, mas com essa fragmentação e com o confronto aberto entre os extremos do espectro político, será difícil alcançar o amplo consenso necessário para iniciar um processo constitucional.

Vitória dos valores conservadores

Apesar de representar valores de esquerda em questões relacionadas à economia, Castillo defende valores culturais e sociais bastante conservadores, contrariando diretrizes progressistas como a descriminalização do aborto, questões de diversidade de gênero, casamento entre pessoas LGBT e ampliação de direitos civis , sexual e social. Esses também são valores apoiados principalmente por Fujimori – assim como pelos dois candidatos que terminaram em terceiro e quarto no primeiro turno. Em outras palavras, o conservadorismo venceria sim ou sim as eleições presidenciais deste ano. “Claramente, o pensamento conservador, que também é machista e patriarcal, se saiu bem nessas eleições”, disse a antropóloga feminista Alejandra Ballón.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData