Home: Opinion

Costa Rica: campeã do clima da América Latina

A Costa Rica é o único país da região cujos esforços são consistentes com o Acordo de Paris

Juanita Rico
17 Novembro 2021, 12.00
Costa Rica é o primeiro país do mundo a reverter o desmatamento
|
Robert Harding/Alamy Stock Photo

Em comparação com outros países da América Latina, a Costa Rica está indo muito bem. Suas políticas estão alinhadas com o que é necessário para limitar o aquecimento climático a 1,5°C, embora suas metas de redução de carbono precisem de algumas melhorias.

No rescaldo da COP26, a Costa Rica se encontra em uma excelente posição. Após a COP25, o país foi um dos 36 que aderiram aos princípios de San José, que visam garantir que “integridade ambiental, regras contábeis robustas, evitação de dupla contagem e ambição” determinem os regulamentos em torno dos mercados de carbono.

O Plano Nacional de Descarbonização do país tem metas mais ambiciosas do que as do Acordo de Paris para 2030 e 2050. Além disso, o governo apresentou uma Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) atualizada para as reduções de emissões globais em dezembro de 2020 e estipulou metas ambiciosas de mudança climática nos últimos dez anos. Se seguir o caminho atual das NDCs, o governo alcançará a neutralidade de carbono em 2085. No entanto, se implementar todas as políticas mencionadas em seu Plano Nacional de Descarbonização, poderia fazê-lo até 2050 – que é o que o governo do país deseja fazer.

Em 2019, o atual governo apresentou um plano em dez etapas para a criação de um modelo de desenvolvimento baseado na redução das emissões de CO2, digitalização e descentralização da produção de energia.

Tell Boris Johnson not to weaken political sleaze rules

If enough of us speak up, we'll be able to protect honesty in public life.

Alguns dos mais impressionantes desses dez pontos são transporte e mobilidade sustentáveis, energia, construção e indústria sustentáveis ​​e agricultura e uso da terra.

Relacionado

2DC5XNP.jpg
Por sua vulnerabilidade, desigualdade e falta de ação política, a região já sofre os efeitos das mudanças climáticas

Não é a primeira vez que a Costa Rica lidera uma mudança verde. O país centro-americano, conhecido por não ter exército desde 1949, reescreveu sua constituição em 1994 para incluir o direito de todos os seus cidadãos a um meio ambiente saudável. Além disso, um quarto de seu território é atualmente designado como reserva natural, e é o único país tropical do mundo que reduziu efetivamente o desmatamento.

Atualmente, a Costa Rica produz quase toda a sua eletricidade a partir de fontes renováveis (80% por energia hidrelétrica), e a cada ano estabelece um novo recorde no uso de energia limpa.

O governo tem também um pacote de políticas em três fases que visa eliminar os combustíveis fósseis até 2050.

Este pacote anda de mãos dadas com oito estratégias para acelerar a mudança, incluindo a digitalização, a transição justa de trabalhadores afetados pela descarbonização e estratégias para financiar essa transição.

Quase 22% da receita da Costa Rica vem de impostos sobre combustíveis fósseis

O principal obstáculo que o país deve enfrentar se quiser continuar seu caminho verde está claro: o transporte.

Em 2016, houve mais carros novos registrados do que bebês na Costa Rica. Mais de 60% da população da Costa Rica viaja em ônibus ou trens a diesel, um número alto. O governo quer fazer uma transição drástica para veículos elétricos, o que é complicado uma vez quase 22% de sua receita vem de impostos sobre combustíveis fósseis.

O país também falhou em fornecer suposições explícitas e transparentes sobre vários elementos essenciais de como alcançará sua Contribuição Nacionalmente Determinada – não forneceu informações sobre o estabelecimento de um ciclo de revisão periódica de suas medidas climáticas e metas provisórias.

Se o país conseguir ajustar sua Contribuição Nacionalmente Determinada, com expectativas realistas, ao seu Plano Nacional de Descarbonização, poderá ser o primeiro da América Latina a dar passos significativos rumo ao líquido zero. Ainda é cedo para cantar vitória, mas a Costa Rica abriu o caminho para que outros países da região ajustem seus compromissos e adquiram outros mais ambiciosos.

Had enough of ‘alternative facts’? openDemocracy is different Join the conversation: get our weekly email

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData