democraciaAbierta: Opinion

O sofrimento do povo haitiano é imensurável

O Haiti precisa de uma operação internacional de estabilização e incentivo sustentável a longo prazo

democracia Abierta
20 Agosto 2021, 12.00
Pessoas procuram sobreviventes no local de um hotel que desabou após o terremoto de magnitude 7,2 em Les Cayes, Haiti, 16 de agosto de 2021
|
Ricardo Arduengo/REUTERS / Alamy Stock Photo

No sábado, 14 de agosto, os haitianos acordaram em um pesadelo já conhecido: um terremoto de magnitude 7,2 atingiu o sudoeste do país, deixando mais de 2 mil mortos e cerca de 10 mil feridos, segundo os números provisórios do escritório de Proteção Civil do Haiti.

Poucas semanas após o assassinato de seu presidente, Jovenel Moïse, que segue sem resposta, esta nova crise sobrecarrega ainda mais a nação já devastada.

Após o terremoto, a situação no território se fez desesperadora. O governo haitiano não está em condições de oferecer assistência às vítimas e a ajuda internacional não chegou como em outras ocasiões. Além disso, muitas das igrejas, lugares que costumam receber os afetados por desastres, estão em ruínas.

Essa é a realidade de um país que, em meio a uma crise institucional, de representatividade e extrema violência, enfrenta os estragos de um terremoto de magnitude maior do que o que assolou o país em 2010, que foi de 7,0.

Escombros do terremoto de 2010
Escombros do terremoto de 2010 | Alamo Stock Photos

De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), o epicentro do terremoto, de 10 km de profundidade, aconteceu a 12 km da cidade de Saint-Louis-du-Sud. Os principais danos ocorreram nas cidades de Les Cayes, Jérémie e na capital, Porto Príncipe.

No domingo, o primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, declarou estado de emergência por um mês. Enfrentando-se a hospitais saturados, tanto devido à pandemia de Covid-19 quanto ao desastre, Henry pediu a força e solidariedade dos haitianos para enfrentar a atual situação dramática: sem presidente, diante de violência desencadeada e sobre um país destruído.

Diante da situação, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, autorizou uma resposta imediata para enviar ajuda ao Haiti. Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, também enviou ajuda, assim como o presidente dominicano, Luis Abinader.

Crianças e adolescentes foram os mais afetados pelo desastre, fato destacado por Save the Children e Unicef.

“Estamos profundamente tristes com as informações sobre as vítimas e os danos causados ​​pelo terremoto no Haiti”, disse Bruno Maes, representante do UNICEF no país, em nota enviada à mídia.

As redes sociais, por sua vez, estavam repletas de imagens da destruição do país. Centenas de haitianos publicaram fotos de prédios que desabaram durante o terremoto, enquanto a imprensa internacional revisava os arquivos do jornal para traçar paralelos com o terremoto que há uma década mergulhou o país em uma crise da qual ainda não conseguiu sair.

Tempestade no meio da crise

Somando-se à espiral de desastres, a chegada de Grace, uma forte tempestade tropical, aumentou o sentimento de frustração e desânimo.

A tempestade não apenas atingiu um país já destruído, mas também interrompeu as operações de resgate e busca de sobreviventes após o terremoto, gerando angústia e tristeza entre os milhares de haitianos que perderam tudo no terremoto.

A tempestade atingiu o sudoeste do país, justamente a área mais afetada pelo terremoto. A tempestade despejou 40 cm de chuva no país antes de seguir seu curso.

O terremoto e a tempestade atingiram um país que já estava mergulhado em uma crise política, de segurança e humanitária.

“É imenso o sofrimento de seu povo”, escreveu a ativista de direitos humanos haitiana Rosy Auguste Ducéna antes do terremoto e da tempestade, em trechos de seus diários. É um país sem norte que, após o assassinato de seu presidente, assiste impotente o descarrilhar do país diante de uma crise política e institucional interminável e onde as violações dos direitos humanos são sistemáticas, como descreve a própria Rosy.

Casas coloridas em morro de Porto Príncipe
Porto Príncipe | Alamy Stock Photos

Para ajudar o Haiti, não é suficiente inundar o país com bilhões de dólares de ajuda humanitária que vão pelo ralo, como vimos com o terremoto de 2010. Precisamos repensar uma operação internacional de estabilização e incentivo em grande escala e que seja sustentável a longo prazo para tirar o país do buraco em que caiu.

Primeira nação independente da América Latina e do Caribe e primeira a abolir a escravidão quando a rebelião de escravos derrotou as forças de Napoleão, o Haiti não merece todo esse sofrimento.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData