democraciaAbierta: Opinion

Tratar a Covid-19 com cloroquina: uma imprudência?

Um médico francês, conhecido por negar as mudanças climáticas e por seus métodos duvidosos de pesquisa, é o principal defensor da hidroxicloroquina no tratamento da doença. English Español

Danica Jorden
30 March 2020

O Dr. Didier Raoult, pesquisador francês por trás das alegações de Donald Trump de que o mundo encontrou uma cura para o coronavírus que causa a Covid-19 em um imunossupressor antimalárico e comumente chamado de hidroxicloroquina, renunciou à sua colaboração com o governo francês, um colapso especular consistente com a carreira desse controverso profissional médico.

Raoult, que com seus longos e rebeldes cachos de cabelos brancos tem uma semelhança física impressionante com o ex-médico pessoal de Trump, Harold Bornstein, também lembra o médico em seu uso constante de superlativos.

Mas, diferentemente do bondoso Bornstein, Raoult é uma figura controversa, um negador das mudanças climáticas que foi questionado por suas técnicas de investigação. O microbiologista, que chefia talvez o maior departamento de doenças infecciosas do mundo no Hospital Hospital Universitário de Marselha, tem sido alvo de críticas frequentes e motivo de alarme. Certa vez, quando perguntado por que ele usa um anel de caveira e ossos cruzados no dedo mindinho, Raoult disse que era "parce que ça les fait chier" ("para irritá-los").

Raoult quer tratar todos os pacientes de Covid-19 em seu instituto com o medicamento, e ignorou os protocolos padrão para testá-lo em seus ensaios

O médico da Riviera Francesa rompeu com o grupo de estudo científico estratégico do presidente francês Emmanuel Macron sobre o coronavírus em 24 de março, porque discordou da abordagem moderada do presidente, preferindo uma implantação em massa do uso de cloroquina, fabricada como Plaquenil pelo empresa farmacêutica francesa Sanofi. Raoult quer tratar todos os pacientes de Covid-19 em seu instituto com o medicamento, e ignorou os protocolos padrão para testá-lo em seus ensaios. A Sanofi disse ao governo francês que está pronta para produzir a droga em massa.

Mas, de acordo com outros cientistas, o ensaio clínico do qual Raoult tirou suas conclusões sobre o sucesso da cloroquina no tratamento do Covid-19 foi muito pequeno e os resultados foram inconclusivos. Raoult descreveu o tratamento de 24 pacientes com o medicamento e disse que 75% deles testaram negativo em seis dias.

"Com base em um estudo científico absolutamente questionável que não mostra absolutamente nada quando você olha para os números exatos e a forma como o estudo foi conduzido, muitas pessoas têm uma falsa esperança de cura", disse a professora Karine Lacombe, chefe do Departamento de Doenças Infecciosas do Hospital St-Antoine em Paris. No canal de televisão francês InfoFrance2, Lacombe questionou explicitamente a ética das conclusões de Raoult sobre a cloroquina e declarou: "O que está acontecendo em Marselha é absolutamente escandaloso... e vai além de qualquer enfoque ético".

A cloroquina é usada contra a malária e, assim como o medicamento amplamente utilizado Plaquenil, é usada para retardar a progressão da artrite reumatóide e lúpus eritematoso. A cloroquina não é uma cura para nenhuma dessas doenças, mas funciona suprimindo a resposta imune do usuário para que a doença em questão não se desenvolva.

A cloroquina não apresenta efeitos colaterais significativos. Os usuários precisam de exames regulares para detectar danos ao fígado e também está implicado na degeneração macular. Sabe-se que causa coceira incontrolável, indicando uma resposta alérgica, de acordo com uma série de memes e tweets circulando da Nigéria. Nesse país, a cloroquina pode ser comprada sem receita médica, e muitas crianças foram tratadas com o medicamento para prevenir a malária no passado. Um usuário nigeriano do Twitter deu a entender que preferia morrer a tomar cloroquina. Em seu tweet, ele escreveu: "Médico: toma cloroquina ou morra do coronavírus. Eu:...." seguido de uma foto de um homem em um caixão.

A droga também foi acusada de causar sérios problemas neuropsiquiátricos, semelhantes aos de seu primo farmacológico Mefloquine, que foi retirado do mercado em parte por esse motivo.

Em 2013, o Dr. Raoult afirmou que "as predições climáticas são absurdas", expondo suas críticas em um artigo da revista francesa Le Point. Insistindo que os modelos para o aquecimento global "foram revelados falsos", Raoult disse que "o planeta não aquece desde 1998". Em 2016, ele publicou um livro intitulado "Arrêtons d'avoir peur" ("Vamos parar de ter medo"), no qual chamou a teoria da seleção natural de Darwin de "uma ilusão".

No início de 2020, Raoult parecia um negador do coronavírus. Em 21 de janeiro, Raoult disse no canal de YouTube do seu hospital que "três chineses morrem e há um alerta global... É uma loucura, não faz mais sentido". Em uma entrevista em 4 de fevereiro com a mídia corsa Corse-Matin, ele declarou: "Pare com a loucura... Há mais chance de morrer por outro vírus que o coronavírus". Mais tarde, ele insistiu: "Provavelmente há mais pessoas mortas por acidentes de scooter na China do que pelo vírus".

Enquanto Raoult e Sanofi querem avançar com a cloroquina, outros médicos estão pedindo uma abordagem mais cautelosa, envolvendo mais testes.

Rainforest defenders: How to fight the climate crisis from the ground up

Too often the people of the Amazon are seen as victims, but openDemocracy has just won a major award for bringing the stories of young local activists who are defending their lands and commmunities – and are winning.

Join us for a free live discussion on 28 January at 5pm UK time/12pm ET.

Hear from:

Francesc Badia i Dalmases Director, democraciaAbierta – openDemocracy's Latin America project

Chair: Mary Fitzgerald Editor-in-chief, openDemocracy

Further speakers to be announced

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData