democraciaAbierta: Analysis

A invasão da Ucrânia bagunça tabuleiro geopolítico na América Latina

Apesar da distância geográfica, o conflito europeu expôs as rachaduras entre os interesses políticos de cada país

WhatsApp Image 2022-04-16 at 2.52.03 AM.jpeg
Francesc Badia i Dalmases Juanita Rico
7 Março 2022, 12.00
Civis evacuados da guerra no leste da Ucrânia chegam a Kiev, em 3 de março
|
Mykhailo Palinchak/Alamy Live News

Por seu caráter violento e inédito na Europa desde a Segunda Guerra Mundial, a agressão russa à Ucrânia vai reconfigurar os espaços geopolíticos e ideológicos que definem o mundo desde o fim da Guerra Fria. A batalha em Kiev não é mais entre capitalismo e comunismo, mas entre a democracia liberal europeia e a tirania russo-soviética.

Mas às vezes a história se move mais rápido do que as mentes, e as tradições ideológicas herdadas são difíceis de atualizar quando a realidade muda de repente. As feridas dos ultrajes e da violência do imperialismo norte-americano na América Latina no século 20, para não mencionar as do colonialismo europeu anterior e contemporâneo, continuam abertas.

Assim, condicionados por esses fatores, os governos latino-americanos vêm se posicionando em relação à guerra entre a Rússia e a Ucrânia.

O distanciamento dos EUA da região deixou um vazio que outros atores vêm preenchendo, desde o crime organizado até os interesses chineses e russos

Get the free oDR newsletter

A weekly summary of our latest stories about the post-Soviet world.

É fundamental entender de onde vêm esses pronunciamentos e, sobretudo, como e por que ocorreu a reaproximação entre alguns governos do Sul Global e o governo Putin.

Em fevereiro deste ano, pouco antes da escalada do conflito, o vice-primeiro-ministro russo, Yuri Borisov, visitou vários países latino-americanos. Borisov se encontrou com o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e com os líderes da Nicarágua e Cuba, três regimes há muito apoiados pela Rússia. Da mesma forma, o presidente russo,Vladimir Putin, se reuniu com Jair Bolsonaro, do Brasil, e Alberto Fernández, da Argentina, países tradicionalmente distantes da Rússia. Ambos os presidentes buscam oportunidades econômicas e vantagens com um interlocutor disposto a fazer negócios para desestabilizar a ordem.

O distanciamento dos Estados Unidos da América Latina nas últimas duas décadas deixou um vazio que outros atores vêm preenchendo, desde o crime organizado até os interesses chineses e russos.

Após alguma hesitação inicial, e diante de uma perigosa escalada no conflito entre Rússia e Ucrânia, Brasil e Argentina oficialmente condenaram a invasão russa. No entanto, houve também certa ambivalência, uma vez que ambos os países evitaram acusar a Rússia de levar a cabo uma "invasão ilegal" merecedora das mais severas sanções, uma asserção fortemente partilhado pelos EUA e a União Europeia, e que conta com a adesão de países da região governados por líderes tanto de esquerda como de direita, incluindo Colômbia, Equador, Costa Rica, Peru e Chile.

Essas rachaduras mostram que, diante do cenário complexo e mutável da guerra na Ucrânia, há alguma penetração e influência russa na América Latina e o que acontece em solo ucraniano não será indiferente à região e terá consequências políticas irreparáveis.

Duas das capitais historicamente aliadas políticas da Rússia, Caracas e Manágua, cortaram comunicação com Bogotá

Simbolizando a extensão da repercussão da guerra entre os ministérios das Relações Exteriores na América Latina, duas das capitais historicamente aliadas políticas da Rússia, Caracas e Manágua, cortaram comunicação com Bogotá, a capital colombiana. Esse tipo de dilema diplomático e político influencia tensões já graves para o hemisfério sul, como a complexa crise humanitária na Venezuela que já levou mais de 6 milhões de pessoas a deixarem o país nos últimos anos — a maior leva de refugiados do mundo depois da Síria.

Essas posições diversas e opostas podem, se persistirem, atrasar a já enfraquecida integração regional na América Latina, fundamental para o avance de sua agenda de inserção internacional e para a superação coletiva da crise econômica e social agravada pela pandemia de Covid-19. Apesar de seus esforços, Putin não conseguiu dividir os 27 países da União Européia com esta guerra, mas divide a comunidade latino-americana.

Com os números de infecções por Covid-19 em queda na região, esperava-se que a articulação entre blocos sub-regionais, como a Aliança do Pacífico e o Mercosul, melhorasse o diálogo entre os países, o que não aconteceu com vacinas, diferentemente da Europa, que mutualizou a compra e distribuição dos imunizantes. A Covid-19 paralisou os cenários de diálogo multilateral, que agora serão mais difíceis de consolidar se as rachaduras ideológicas causadas pela invasão da Ucrânia se aprofundarem.

A América Latina responde

Após a invasão, a Rússia encontrou aliados incondicionais ​​em alguns países latino-americanos. Cuba, Venezuela e Nicarágua declararam seu apoio ao Kremlin e legitimaram a operação militar de Putin contra a Ucrânia. Mesmo assim, não ousaram votar contra a resolução da Assembleia Geral da ONU que condenou a agressão russa. Em vez disso, Cuba e Nicarágua se abstiveram de votar, assim como a Bolívia. O voto da Venezuela não foi computado por falta de pagamento de sua adesão à ONU.

Em mensagem televisionada antes da invasão, Maduro perguntou: “O que o mundo quer? Que o presidente Putin fique sentado de braços cruzados e não haja em defesa de seu povo?". Em ligação telefônica com Putin transcrita pelo Kremlin, Maduro “manifestou forte apoio às ações decisivas da Rússia, condenou a atividade desestabilizadora dos Estados Unidos e da OTAN e enfatizou a importância de combater a campanha de mentiras e desinformação lançada por países ocidentais”. Após a invasão da Ucrânia, Maduro reafirmou sua posição.

Há apenas um mês, Fernández ofereceu a Putin seu país como 'porta de entrada para a América Latina'

A posição de Maduro é compartilhada pelo Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), que afirma que a Rússia tem o direito de se defender diante da constante ameaça de potências imperialistas, uma narrativa que repercute na Venezuela. Com seu posicionamento, o governo bolivariano, que sobrevive em parte graças a importantes créditos russos, demonstra sua total dependência política da Rússia. De fato, o chanceler Félix Plasencia escreveu em sua conta no Twitter que "a paz na Rússia é a paz no mundo".

Durante a escalada retórica que precedeu a guerra, a Rússia chegou a ameaçar implantar mísseis na Venezuela, já um cliente tradicional de suas armas.

Seguindo os passos de Maduro, o governo nicaraguense de Daniel Ortega também mostrou apoio incondicional a Putin. O presidente aplaudiu a decisão do Kremlin de reconhecer a independência de Donbass e Lugansk e criticou as sanções impostas pelos Estados Unidos e pela União Européia em resposta à invasão. A fraternidade entre os dois países é extensa. No mesmo dia em que a Rússia iniciou a guerra, o presidente da Duma (parlamento russo), Vyacheslav Volodin, visitou Manágua em meio a grandes demonstrações de afeto.

Outros países da região, no entanto, têm se manifestado abertamente em sua oposição à invasão russa da Ucrânia, como México, Colômbia, Chile, Costa Rica, Peru e Equador. Embora não tenham rompido relações com a Rússia, rejeitam abertamente a invasão.

Por sua vez, Bolsonaro mantém uma posição ambígua. De acordo com o presidente brasileiro, os interesses brasileiros envolvem garantir o fornecimento de fertilizantes russos para a agricultura, uma questão "sagrada", segundo ele. No entanto, Bolsonaro parece interessado em garantir apoio de Putin para a sua campanha eleitoral, como sua recente visita ao Kremlin sugere.

Embora por motivos diferentes, a Argentina também se aproximou de Moscou. Em visita a Moscou em 3 de fevereiro, Fernández agradeceu a Putin pelas remessas da vacina "Sputnik" e ofereceu seu país como "porta de entrada para a América Latina". Fernández suavizou seu discurso após a invasão, mas o abandonou completamente. Fernández condenou a invasão e votou contra a invasão na Assembleia Geral da ONU, mas não disse que romperá com Putin. Para setores da velha esquerda argentina, pátria de Che Guevara, qualquer oportunidade de culpar o "imperialismo ianque" deve ser aproveitada.

As posições conflitantes de alguns líderes latinos mostram que as divisões entre democracias liberais e autocracias são profundas na região. Essa guerra na Europa, apesar de acontecer a milhares de quilômetros da América Latina, pode acabar com as esperanças de uma real integração regional e de uma estratégia de saída coordenada da pandemia. O que não aconteceu durante a longa crise da Covid-19, hoje desapareceu entre a fumaça das bombas que enevoam Kiev.

We've got a newsletter for everyone

Whatever you're interested in, there's a free openDemocracy newsletter for you.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData