democraciaAbierta: Opinion

Paridade de gênero chega ao Judiciário chileno graças à Convenção Constitucional

O Estado deve garantir que as nomeações ao Sistema de Justiça respeitem o princípio da igualdade

Cecilia Román
6 Abril 2022, 12.00
Mulheres se manifestam em Santiago do Chile em 8 de março de 2022
|
Alamy Stock Photo

Mais uma vez, lenços e cartazes verdes e roxos inundaram a Convenção Constitucional chilena quando após a aprovação de uma norma que abre caminho para a paridade e a abordagem de gênero no Judiciário. A inovação política pode servir de exemplo para a América Latina. Apesar da maioria dos países da região terem cotas para mulheres na política, ainda carecem de igualdade de gênero nos sistemas judiciais.

Se os chilenos aprovarem a nova Constituição este ano, todos os órgãos do Sistema Nacional de Justiça terão que se reger pela paridade e pela perspectiva de gênero, além de garantir a igualdade substantiva. A norma chegou ao anteprojeto da nova Carta Magna com o apoio de 115 constituintes, contra 24 que votaram contra e 13 que se abstiveram.

Esta norma traduz-se em duas ações concretas: primeiro, prevê que o Estado deve garantir que as nomeações no Sistema Nacional de Justiça respeitem o princípio da paridade em todos os órgãos da jurisdição, incluindo a nomeação das presidências; e segundo, que os tribunais devem incluir uma perspectiva de gênero em suas decisões.

Bárbara Sepúlveda, advogada e constituinte do Partido Comunista, argumentou perante o plenário da Convenção que este último ponto era necessário porque "das poucas mulheres que podem aceder à justiça por razões econômicas, a maioria tem suas causas de violência de gênero transformadas em julgamentos sobre sua vida íntima, comportamento sexual, sobre suas escolhas e erros pessoais. O foco, que deveria estar na agressão, é desviado para o julgamento moral.”

A constituinte independente Ingrid Villena completa: "Isso significa que, dentro da função de administrar a justiça, não apenas juízes, mas também funcionários públicos, e também qualquer outro operador de justiça, da polícia a garçons, todos devem tratá-lo com respeito. Que vítimas de violência doméstica, por exemplo, não precisem passar por agressões cinco ou seis vezes; evitar que o sistema não dê credibilidade a suas histórias, ou insultem as vítimas com comentários como, 'E você estava bêbada?' ou 'Por que você estava na rua?".

A perspectiva de gênero e sua aplicação

Nesse contexto, a aprovação dessa norma empolgou as constituintes feministas e acadêmicos e juristas, que qualificaram o evento como "histórico". Isso porque, embora a abordagem de gênero na justiça já exista no Chile e tenha sido aplicada em muitos casos, ainda depende dos critérios de cada magistrado.

Desde 2017, o Judiciário chileno conta com uma Secretaria Técnica para a Igualdade de Gênero e a Não Discriminação, que inclusive emitiu um "Caderno de boas práticas para incorporar a Perspectiva de Gênero nas sentenças". Em 2021, houve até uma disputa judicial com essa perspectiva, à qual se aplicaram 34 sentenças.

No primeiro caso, o juiz reconheceu que duas mulheres eram mães de uma criança e ordenou que o Registro Civil o registrasse como tal. No segundo, o juiz condenou um homem em um caso de violência doméstica em que a mulher sempre voltava para seu agressor, pois levou em consideração que a mulher não podia terminar o relacionamento devido à "disparidade de poder [que] a impede de enfrentá-lo e de se afastar de sua influência.”

Existe uma cultura no sistema judicial de rejeição e recusa em aplicar a perspectiva de gênero

Mas nem sempre os magistrados seguem as recomendações da secretaria. “Infelizmente, fica à critério de quem quer implementar essas boas práticas. O que os vários estudos nos mostram é que existe uma cultura no sistema judicial de rejeição e recusa em aplicar a perspectiva de gênero como uma boa prática que protege igualdade perante a lei”, explica Daniela López, fundadora do escritório de advocacia feminista AML Defensa de Mujeres (Defesa de Mulheres), e acadêmica da Faculdade de Direito da Universidade Central.

Segundo López, sua constitucionalização é vital, “porque estabelece um mandato obrigatório do Estado para formar e aplicar a perspetiva de gênero, uma vez que os operadores de justiça têm demonstrado apatia em fazê-lo, perpetuando a reprodução de preconceitos e estereótipos de gênero. Isso gera desigualdade e discriminação pelo simples fato de se ser mulher na sociedade”, conclui.

Paridade nas nomeações e no debate

Em termos de paridade nas nomeações, também será um avanço substancial. Hoje, dos 21 ministros da Suprema Corte, apenas 8 são mulheres. De fato, entre 1823 e 30 de março de 2021, foram nomeados 216 ministros e 11 ministras, segundo dados do próprio Judiciário. No entanto, nos tribunais de primeira ou segunda instância, há mais juízas do que juízes.

A norma gerou debate: por um lado, os representantes de centro-direita na Convenção Constituinte argumentaram que os juízes deveriam se basear apenas na justiça.

Por outro, a conhecida magistrada Karen Atala – que processou o Estado do Chile por uma sentença em que perdeu a custódia de suas filhas por ser lésbica – assegurou em entrevista ao jornal La Tercera que "não é necessário incluir uma perspectiva de gênero na nova Constituição. Nós juízes já o fazemos”. Além disso, argumentou que a correção da paridade de gênero poderia prejudicar as juízas, por exemplo, que são maioria nos tribunais.

Se a Constituição for aprovada, o Chile seguirá os passos da Argentina e do México, que já incluem normas similares em suas Constituições.

Na Argentina, por exemplo, o feminicídio da Micaela García, de 21 anos, levou a uma lei que estabelece a obrigatoriedade de treinamento em gênero e violência de gênero para todos os funcionários públicos dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. E, no México, entrou em vigor, em 2019, uma reforma da Constituição que garante que metade dos cargos decisórios sejam dados a mulheres nos três poderes do Estado, em órgãos autônomos e candidaturas partidárias, entre outros.

Os três países podem servir de exemplo para abrir a discussão sobre a paridade e a abordagem de gênero na justiça para toda a América Latina.


Esta reportagem pertence à série Cartas Chilenas, produto da aliança editorial entre #NuestrasCartas e o democraciaAbierta/openDemocracy.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData