democraciaAbierta: Opinion

Quem ganhou no Equador, Lasso ou o anticorreísmo?

A eleição presidencial mostrou que é preciso repensar e construir a esquerda no Equador e na América Latina.

Juan Manuel Crespo
15 Abril 2021, 12.00
Yaku Pérez, candidato indígena à presidência do Equador, em um ato de protesto contra a recusa do CNE em fazer recontagem dos votos
|
dpa picture alliance/Alamy Stock Photo

Na última segunda-feira, 12 de abril, o Equador acordou com a eleição de um novo presidente, o conservador e neoliberal Guillermo Lasso. Em sua terceira participação, Lasso alcançou a presidência que há muito almejava. O polêmico processo eleitoral fragmentou o cenário político, principalmente na esquerda e no campo progressista equatoriano e regional.

O papel do movimento indígena nestas últimas eleições deixa a esquerda em um momento diferente e abre muitas incógnitas e algumas oportunidades para o futuro a médio e longo prazo.

A questão agora é: Lasso e a direita neoliberal-conservadora realmente ganharam ou o correísmo perdeu? O que sabemos é que, com Lasso, começa um processo de luta e resistência para muitos, o que será difícil para grandes setores da população equatoriana. Diante dessa conjuntura, o país precisa reformular sua narrativa progressista e de esquerda. A esquerda precisa entender que acabou um ciclo, se quiser fazer frente a um governo das elites econômicas deste país, cuja natureza predadora e injusta com seu próprio povo ela conhece em primeira mão.

Primeiro turno polêmico

Em 7 de fevereiro, os equatorianos foram às urnas em um primeiro turno polêmico. Nesta primeira eleição, o candidato do ex-presidente Rafael Correa, Andrés Arauz, conquistou a maior parcela de votos com 32,4% do total, o que lhe garantiu um lugar no segundo turno. No entanto, o segundo lugar registrou um “empate técnico” entre o conservador Guillermo Lasso, que oficialmente chegou a 19,7%, e o candidato do movimento indígena Yaku Pérez, que finalmente ficou com 19,4%.

Esse “empate técnico” deixou todo o Equador em suspenso por vários dias, não só pelas dúvidas geradas sobre a verdadeira consistência democrática da apuração oficial, mas também porque significava uma definição de alcance muito maior. Não se tratava apenas de saber quem avançaria para o segundo turno, mas de saber quem carregaria a bandeira do “anticorreísmo”. Dados os resultados do primeiro turno, parecia claro que a presidência estava em jogo nessa disputa pelo segundo lugar.

Três dias após o fim da eleição de 7 de fevereiro, Pérez, do partido Pachakutik, permanecia em segundo lugar, à frente do ex-banqueiro. De um momento para o outro, um grande número de votos tardios na cidade de Guayaquil (bastião de Lasso) mudou o rumo das eleições, e as autoridades do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) fecharam a votação com o candidato Lasso à frente de Pérez.

O CNE recusou-se a abrir os 20 mil pedidos protocolados e negou todas as vias legais que permitiriam a recontagem

Depois disso, o movimento indígena lançou um amplo pedido de recontagem dos votos, mas, apesar de ter apresentado inúmeras evidências de inconsistências, o CNE recusou-se a abrir os 20 mil pedidos protocolados e negou todas as vias legais que permitiriam a recontagem, um processo que havia sido acordado entre Pérez e Lasso. Mas Lasso decidiu mudar de posição e trair o pacto com Pérez, calculando que a situação criada favorecia sua candidatura. Assim, toda possibilidade de recontagem formal foi anulada.

O rebuliço generalizado causado por esse limbo eleitoral levou Pérez e Lasso a se encontrarem em um debate improvisado no Conselho Nacional Eleitoral com transmissão ao vivo.

O debate mostrou que as divergências entre os dois candidatos eram irreconciliáveis. O fim dessa disputa dependeria do esclarecimento do resultado nas urnas para legitimar quem iria ao segundo turno enfrentar o correísmo.

Um difícil dilema

As pesquisas indicavam que Pérez ganharia as eleições se fosse para o segundo turno contra Arauz. Essa possibilidade apavorou tanto as elites conservadoras quanto o correísmo, que se uniram para evitar uma recontagem dos votos do primeiro turno e cortar a alternativa representada pelo movimento indígena pela raiz.

Consequentemente, a recontagem nunca aconteceu. Com frustração e indignação à flor da pele, o movimento indígena denunciou a falta de transparência do processo e se viu diante de um novo dilema político difícil.

Por um lado, o movimento não poderia apoiar um candidato como Lasso no segundo turno, por tudo que representa ideológica e simbolicamente, além do fato de Lasso já ter traído um acordo democrático entre os partidos para forçar total transparência no processo eleitoral.

O movimento indígena declarou-se a favor de uma terceira forma de rejeição do ultraje democrático sofrido no primeiro turno: o voto nulo

E, por outro lado, sabiam também que cerca de 20% dos equatorianos que votaram em Pérez eram contra o retorno do correísmo e daquela esquerda que supunha violação dos direitos humanos e da natureza, criminalização do protesto social, perseguição de dirigentes de movimentos sociais (como o próprio Yaku Pérez), fragmentação das organizações e o avanço do extrativismo e do autoritarismo.

Diante dessa dicotomia impossível, tanto o partido Pachakutik quanto as organizações indígenas nacionais, regionais e territoriais, juntamente com organizações da sociedade civil, declararam-se a favor de uma terceira forma de rejeição do ultraje democrático sofrido no primeiro turno.

Surgiu então a necessidade de abrir a porta a um terceiro candidato, bastante silencioso, mas não negligenciável: o voto nulo.

Segundo o conselho político da Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador (CONAIE), “O VOTO NULO é a expressão da rebelião e da rejeição diante do saque, da corrupção, do racismo, da rendição. O povo não tem candidatos neste segundo turno, o povo tem em suas mãos A RESISTÊNCIA E O VOTO NULO”. Assim, definiu-se o posicionamento do movimento indígena.

Dessa forma, o voto nulo atingiu seu maior índice em um segundo turno desde a transição democrática no Equador. Mais de 1.755.380 equatorianos votaram nulo, ou 16,3% do eleitorado, superando o número de votos que Arauz recebeu em cinco províncias.

Este número responde ao voto orgânico que o movimento indígena obteve neste segundo turno, indicando um momento de força política para o movimento indígena que evidentemente vai além das comunidades indígenas. Um grande número de equatorianos não indígenas se sente identificado com o movimento, o que é relevante para o seu papel na política nacional de agora em diante.

Aprender dos erros

Lasso venceu com 52,48% dos votos válidos contra 47,52% de Arauz, com uma abstenção de 21%, um valor significativamente alto e que diz algo sobre as eleições.

Em vista desses resultados, o correísmo e parte da esquerda internacional responsabilizaram o movimento indígena pela derrota de Arauz e do projeto "progressista" equatoriano, uma vez que clamou por um "voto nulo ideológico".

Mas é verdade que, com essa decisão, o movimento indígena se jogou nos braços da direita, como é acusado de fazer? Para responder a essas incertezas, é preciso considerar algumas lições e conclusões que esta última eleição no Equador nos deixou.

A primeira delas é que, na política, as pessoas muitas vezes votam mais contra do que a favor de algo. Aparentemente, a vitória de Lasso é, antes de mais nada, a derrota do correísmo (temos um exemplo recente – e trágico – no Brasil, onde foi a vitória de Bolsonaro veio como uma resposta ao petismo). Em outras palavras, o resultado provavelmente tem mais a ver com a derrota de uma forma de governo do que com a vitória de um projeto político.

O correísmo perdeu as eleições precisamente pela forma como tem atuado como governo e como movimento político em torno do caudilho Correa. Neste sentido, o correísmo não soube remediar as grandes feridas que provocou durante seus dez anos de governo a muitos movimentos sociais e suas lideranças (indígenas, camponeses, mulheres, ambientalistas, professores, trabalhadores, entre outros).

Tampouco foi capaz de autocrítica e de aderir a um processo plural de esquerda que talvez não devesse liderar nesta ocasião, como aconteceu, por exemplo, durante os protestos de outubro de 2019. O correísmo não soube entender que essa explosão social ia além do clássico confronto entre direita e esquerda e que propunha, a partir da liderança indígena, uma mudança profunda, começando pelo modelo extrativista que tanto o progressivismo quanto o conservadorismo abraçam no Equador e em toda a região.

O projeto político indígena no Equador tem grandes oportunidades de disputar o espaço ideológico que o correísmo monopolizou como a "única" e "verdadeira" esquerda

Também pode concluir-se que o preço de aprender com esses erros pode ser muito alto. Nesse sentido, para a esquerda equatoriana, entregar o poder a grupos muito distantes dos princípios pró-comuns de justiça social e ecológica é desastroso. Entretanto, esses erros também podem ser oportunidades históricas necessárias para reconfigurar e unir as forças progressistas de base, compreendendo e redefinindo a esquerda ao redor da pluralidade, e não ao redor de caudilhos. Precisamos entender de uma vez por todas que, como diz o colombiano Alejandro Mantilla, não haverá transformação sem uma transição ambientalista e antipatriarcal que redistribui a riqueza.

Para aprender com nossos erros, devemos parar de pensar apenas em personalidades e começar a pensar em processos orgânicos, repensar, sentir e construir processos democráticos amplos e verdadeiros. Neste sentido, o projeto político indígena no Equador, que já se tornou a segunda maior força legislativa da Assembleia Nacional, tem grandes oportunidades de disputar o espaço ideológico que o correísmo monopolizou como a "única" e "verdadeira" esquerda. O movimento também precisa reconhecer-se não apenas como indígena, mas também como o dinamizador de um projeto intercultural, plurinacional, feminista, ecologista, anti-extrativista, diverso e capaz de promover novas narrativas a partir dos conceitos do bem viver e dos direitos da natureza. Este conceitos, inclusive, estão incluídos na própria Constituição, algo que foi conquistado justamente através de processos sociais e políticos que reuniram diversos setores da sociedade.

Para isso, é essencial contar com uma democracia genuína e comunitária que seja forçada a abrir mais espaços para jovens, mulheres e todas aquelas minorias historicamente relegadas por uma visão totalitária do poder. Ou seja, colocar em prática o que os zapatistas e os povos indígenas de nosso continente chamam de mandar obedecendo.

Com Lasso no poder, os próximos anos serão difíceis para a resistência social, mas também serão anos que exigirão muita criatividade e força, algo que os movimentos sociais do Equador e da região sempre se mostraram capazes de fazer.

Como diz a ativista feminista equatoriana Kruskaya Hidalgo: "Precisaremos tomar as ruas; a luta continua. Seremos massacrados? A repressão será mais forte do que em outubro? Sim, certamente. Os 14 anos de correísmo-morenismo se asseguraram de fortalecer e armar as forças militares e policiais. Mas estaremos lá e continuaremos lá. Um povo rebelde e, espero, um povo unido."

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData